Neurocare-Clínica Neurocirurgia Dr Josué Pereira Lda
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Especialista em Neurocirurgia no Porto

 
 

Neurocare - Clínica Neurocirúrgica no Porto

 

 
 
A Clínica Neurocare tem como especialidade a neurocirurgia. A nossa clinica dedica-se a esta área cirúrgica fornecendo serviços de consultas, diagnóstico e tratamento para doenças e lesões degenerativas não só do sistema nervoso central e periférico (cérebro, medula e nervos) mas também da coluna vertebral, lombar e cervical.

Neurocirurgia Pediátrica - Anomalias cranianas - Plagiocefalia e craniosinostoses.


A Clínica Neurocare especialista em neurocirurgia tem como principais áreas de dedicação: Neurocirurgia Pediátrica epatologia degenerativa da coluna vertebral (hérnias discais cervicais e lombares, canal raquidiano estreito, espondilolisteses,...).
 
 
 
 
Dedica-se a consultas, diagnósticos e tratamentos a patologias congenitas, tumoral,neurocirurgia pediátrica (craniosinostoses, macrocrania, hidrocefalia), tumores da hipofise, patologia degenerativa da coluna vertebral (hérnias discais, espondilolistese, canal estreito).

Destacamos a consulta de NC Pediátrica de Avaliação craniana na primeira infância (0 a 2 anos) - Plagiocefalias e craniosinostoses.

Hidrocefalia, macrocrania benigna, traumatismos crânio-encefálicos.

Consulta de Patologia da coluna vertebral, Hidrocefalia e Neuroendoscopia.
 
 
 
 
 
 
 

Deformidades cranianas na 1ª infância

 
 

 
As deformidades cranianas são alterações da forma do crânio identificadas desde cedo na criança. A cabeça assimétrica é o mais frequente, o achatamento simétrico menos. Em alguns dos casos pode melhorar espontaneamente. Frequentemente é necessária intervenção médica: podem ter impacto no aspecto da criança e no seu desenvolvimento cognitivo e psicomotor, se não tratadas.
O aspecto do crânio por si só pode ser um factor de preocupação, um estigma físico, para o próprio, ou logo desde o nascimento para a sua família.
A criança só toma consciência da situação quando começa a interagir com o seu ... Leia mais
 
 
 
 

Plagiocefalia

 

 
Plagiocefalia é uma palavra de origem grega, que se refere a cabeça oblíqua, achatada, e que se vulgarizou para nomear deformidade craniana de origem posicional (occipital, posterior). Entre médicos também por vezes se emprega o termo de plagiocefalia a propósito da craniosinostose unilateral da sutura coronal, doença congénita em que há uma oclusão precoce dessa sutura: o crânio a nível frontotemporal (anterior) fica com achatamento, expande menos, ficando a sutura em causa mais espessa. Nessa malformação congénita prefiro usar o termo de craniosinostose da sutura coronal, plagiocefalia anterior Leia mais
 
 
 
O factor mais frequente da plagiocefalia é a posição de decúbito dorsal em que a criança é colocada no berço:
- A prevenção do SMSL começou em 1991, com uma campanha iniciada em Inglaterra designada por “Back to Sleep”. Rapidamente, outros Países, como a Austrália e a Nova Zelândia também adotaram essa recomendação. Em 1992, a Academia Americana de Pediatria, em associação com outras sociedades americanas, também aderiu àquela recomendação e, desde então, milhares de vidas são salvas todos os anos... – com redução de até 40% na mortalidade no lactente. Esta decisão teve no entanto como consequência um aumento de 600% da plagiocefalia.

 
 
 
 
Sendo a plagiocefalia uma situação geralmente identificada nos 1ºs meses de vida, a orientação no tratamento deve também começar desde logo. A decisão é dos pais, coadjuvada pelo Pediatra, sendo muitas vezes requisitada a opinião do Neurocirurgião – Consulta de avaliação craniana na 1ª infância. Se as alterações no desenvolvimento cognitivo e da linguagem são mais difíceis de evidenciar, o mesmo já não se pode dizer sobre as alterações físicas, nomeadamente craniofaciais, mais evidentes, e tratáveis desde que a abordagem seja precoce.
 
 
 
 
 
As primeiras medidas para tratamento da plagiocefalia são posicionais: deitar a criança para o lado normal por períodos, de modo a que o lado achatado da cabeça fique elevado e fora da cama, fora do apoio, sem pressão. Outras medidas são alternar a posição durante o sono, o período “tummy time” (incentivar, a partir dos 2-3 meses, que a criança esteja algum tempo de barriga para baixo), e encorajar movimentos livres e espontâneos. São cuidados por vezes suficientes se de início precoce (antes dos 2 meses de vida), e em deformidades pouco marcadas.

A aplicação de rolo sob o dorso de um dos lados, condicionando o apoio da cabeça no lado são, pode também ajudar. O uso de almofadas circulares, tipo  Leia mais
 
A criança deverá ser reavaliada em consulta de Neurocirurgia Pediátrica no 2º ano de vida independentemente do recurso ao capacete, durante o uso do capacete quando necessário e quando termine o tratamento com o capacete ortótico Starband.

A plagiocefalia é na maior parte dos casos unilateral, interessando a zona occipital, posterior, e de modo assimétrico. É habitual nessas circunstâncias haver um avanço do pavilhão auricular (vulgo orelha) desse lado, e simultaneamente uma maior prominência da bossa frontal, por vezes também discreto abaulamento parietal, também do mesmo lado. A natureza induz assim, de um modo protector, uma rotação do crânio para a frente, do lado do osso occipital achatado, devido à própria pulsatilidade cerebral: este orgão procura assim o seu próprio espaço. Essa rotação poderá paralelamente induzir avanço da face do mesmo lado, e assimetria das fendas palpebrais. Esta deformidade em paralelograma poderá ser confundida com a deformidade cranina congénita por craniosinostose da sutura lambdoide, mas a inspeção e morfometria craniana (craniometria) durante a avaliação pelo neurocirurgião pediátrico dispensam normalmente o recurso a exames de imagens, nomeadamente ao TAC cerebral, que atualmente é realizado quase exclusivamente nas craniosinostoses:
 
 
Plagiocefalia posterior - Craniosinostose lambdóide vs Plagiocefalia posicional
Craniosinostose da sutura lambdóide
(doença congénita, raríssima, até 2% das craniosinosotses que já em si são também raras, e que ocorrem em 1/2.500 dos recém-nascidos)
Há um deslocamento posterior pavilhão auricular, com formação de bossa occipital contralateral, e a sutura é palpável.
Plagiocefalia posicional (doença posicional, frequente, até 1/60 dos recém-nascidos)
Há deslocamento anterior do trágus/pavilhão auricular, e formação de bossa frontal homolateral, por vezes com elevação do parietal do mesmo lado.

 
 
 
 
Plagiocefalia occipital bilateral “Braquicefalia”

Achatamento occipital central, bilateral, com aumento do diâmetro biparietal. É menos frequente que a plagiocefalia occipital unilateral, mas a utilização do capacete ortótico Starband é igualmente indicado e eficaz. É facilmente diferenciável da braquicefalia congénita craniostótica por estenose bilateral da sutura coronal, situação muito mais rara, mas na qual o uso de capacete está contraindicado.

 
 
 
 
 
Craniosinostoses
A craniosinostose é uma deformidade congénita craniana restritiva do crescimento. Segundo a regra de Virchow (1851) há um crescimento ósseo restrito, no sentido perpendicular à sutura atingida, e crescimento craniano excessivo ao longo da sutura comprometida.
A sua etilogia é habitualmente não sindrómica: tipicamente esporádica, apenas 2% de casos têm base familiar.
Incidência: 1:2.000-3.000.
A fusão prematura de uma sutura resulta na restrição simultânea do crescimento cerebral, por vezes com compromisso do desenvolvimento cerebral, cuja expansão e pulsatilidade condicionam secundariamente deformidades ósseas compensatórias da calote craniana.

A frequência relativa dos vários tipos de craniosinostose é:

– Escafocefalia ou Dolicocefalia (Sutura Sagital): 40-55 %
– Plagiocefalia anterior (Sutura unicoronal): 20-25%
– Braquicefalia (Sutura coronal bilateral): 10%
– Trigonocefalia (Sutura metópica): 5-15%
– Plagiocefalia posterior (Sutura lambdóide): 0-5%
 Leia mais
 
 
 

Locais de Consultas de Neurocirurgia - Dr Josué Pereira

 
Hospital Cuf Porto

Estrada da Circunvalação 14341,
4100-180 Porto
22 003 9000
5ª à tarde
Hospital da Venerável
Ordem Terceira São Francisco

Rua da Bolsa 7
4050-116 Porto
222 085 481
3ª à tarde
Clinica Mogadourense
Rua de Ploumagoar 21
5200-290 Mogadouro
279 343 014
Sábados (Mensal)

Marque já a sua consulta!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
aec95d64-c4a1-4ca5-b2f0-00f65d6b9ef7_LARGE
 
 
 

Neurocirurgião - Dr Josué Pereira

 
Dr Josué Pereira, neurocirurgião com 30 anos de experiência. Mais de 5000 cirurgias realizadas.


 
 
 
 
 
 
 
 
 

Contacte-nos

 
 
 
Os campos assinalados com asterísco (*) são obrigatórios.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Subscreva a nossa Newsletter